Homossexualidade No Mangá E O Anime

Homossexualidade No Mangá E O Anime

A homossexualidade foi tratada em o manga e o anime desde há muitos anos no Japão. ] O conteúdo homossexual entre mulheres também existe, mas encontra-se muito menos divulgada. Dentro do grande leque de possibilidades e subgêneros dentro da temática LGBT no mangá e anime, são utilizados vários termos no Japão para se referir a eles.

O termo genericamente utilizado é “amor”, um acrônimo da frase “Yama nashi, ochi nashi, imi nashi”, que significa “sem clímax, sem resolução, sem significado”. Uma etimologia popular aponta que deriva de “Yamete, oshiri (ga) itai”, que literalmente significa “o que Para me dói a bunda!”. Dentro das grandes colunas demográficas de fãs na América do norte e Europa, esta terminologia é mais ou menos condensada dentro de “amor” e “shonen-ai”. Sendo o amor o termo usado para referir-se a descrições gráficas de sexo homossexual e/ou drama de temas adultos, shōnen-ai é usado para se referir a situações românticas com personagens mais jovens. Gee-pa (“gay-comics”) são quadrinhos de corte homossexual dirigidos a homens homossexuais.

Enquanto que as histórias de amor geralmente é designado a um dos membros do casal um papel feminino, o gee-comi ambos são descritos masculinamente e em uma relação de iguais. O conteúdo lésbico está muito menos divulgada, mas existe e é conhecido como “Yuri”. Yuri é um termo muito mais amplo do que amor, possivelmente devido à distribuição do mesmo.

De qualquer forma, os fãs americanos e europeus tendem a usar yuri em referência a histórias lésbicas com cenas gráficas de sexo, e categorizam as puramente românticas como shoujo-ai. Isto freqüentemente cria confusão, já que no Japão o termo shoujo-ai não implica conteúdo lésbico; é usada para descrever histórias com sexo explícito entre homens adultos e meninas menores de idade. Outra palavra que se fez recentemente popular no Japão, é o equivalente a yuri, “GL” (o que se traduz como “Girls’ Love”,”Amor de menina”, obviamente inspirada em “Boys Love”, “Amor de Meninos”).

  • Fevereiro: 1-17 e 19
  • 1 1.- Reputação
  • 210 (discussão) 05:55 26 fev 2018 (UTC)
  • A causa de minha diabetes é a sua doçura
  • Não. 57 “A ilha de memórias”
  • receba de volta, mesmo que sejam apenas alguns ros leves

] Em 1972, apareceria A Rosa de Versalhes, e, pouco a pouco, o gênero se consolidou. Alguns mangas, que geralmente se dirigem de forma aberta a um público com interesses lascivos, como pode ser o gênero Hentai, têm como objetivo direto ao mercado homossexual. No entanto, são pouco comuns e, geralmente, não se encontram salvo em lojas especializadas. ] BExBOY e Hug entre outros. A lista de obras a seguir contêm os temas que serão detalhados em cada item, apresentadas em ordem cronológica. Algumas destas histórias contêm elementos de outras temáticas LGBT dentro da mesma obra.

Dentro das histórias de amor homossexual feminino, tanto no mangá como no anime foi variando no estilo e forma. A relevância do tema encontra-se no tipo de material, implicitamente, homossexual ou não, ao público a que se destina, e em diferentes variantes. No plano da amizade: (geralmente no âmbito escolar ou de trabalho, embora em menor caso) através da admiração de uma sempai desenvolvendo-se a um interesse romântico.

Em a redescoberta da identidade sexual: a protagonista se encontra diante de uma situação inusitada, onde depois de uma série de fatos, define a sua orientação (Ex: Homem, com relação a Shizuru em Mai-HiME), após uma série de autocuestionamientos. Shiroi Heya não Ela (1971): uma das histórias pioneiras no gênero. Traçada dentro dos limites do âmbito católico escolar, seu enredo é bastante dramática.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: