Edição Do Domingo, 26 De Julho De 1942, Página 5

Edição Do Domingo, 26 De Julho De 1942, Página 5

FAGINA A VANGUARDA ESPANHOLA DOlWmBO, 26 DE JULHO DE 1942, OS CRONISTAS DI “VANGUARDA” NA EUROPA E AMERICA Da esperança sobre a Rússia é o inviernoDESDE ROMA Os paradoxos do jornalismo .Roma, 25,10 noite. — Pensais em África e em Roma; esperais de nós a notícia Impregnada do salitre mediterrâneo e do fumo da batalha que se – dirime sobre a areia. IJna leituras de perfil clássico a fez saltar da paz á’também guerra.

A faísca acendeu-se-lhe no Egito e na Rússia, e no Egito prende os estandartes do inimigo. —Miguel MOYA HORTAS. EM BERLIM, A guerra submarina BerJín, 25, 10 ndche. “Deutsche Allgémeine Zeitung”. À pergunta: “o que Significa a entrada dos Estados Unidos na guerra um alívio para a navegação britânica?

  • Não. 30 “O caminho do vento”
  • São teus olhos 2 constelaçöes q iluminam todo o mar que fora marinerito para poder navegar
  • O aparecimento vitoriosa da referida infantaria suíça, no século XV
  • Por Villa Caixa, Ciganos e o Terror nas ruas
  • Potência jamaicana para Valladolid com Omari

< / p>“, responde o almirante alemão: “A tonelagem, que esta à disposição do inimigo foi reunido em uma reserva única de navegação e esta sujeito a uma direção única. Há que considerar, portanto, como um só. O que é afundado junto das costas norte-americanas não pode, naturalmente, navegar em direcção a Inglaterra.

É indiferente para nós da área em que hundimos o tonelagem. A guerra submarina coloca, também, em xeque, a “batalha das/ábricas”. Essas declarações do almilante alemão encontrou um profundo eco pn toda a Alemanha e são contrimiído a robustecer a impressão de que as esperanças postas na batalha do Atlântico são grandes.

Na luta contra a Inglaterra. Berlim está convencido do efeito decisivo da guerra submarina. Mas na Alemanha você tem a convicção de que o fim que se persegue pode ser, e é. —PROVISÓRIO. A PARTIR de NOVA IORQUE, Nova Iorque, 25; 10 da noite. “Os norte-americanos, sempre otimistas,contam com o inverno da Rússia, quase mais do que com todos os pertfechos militares que enviam lá para destruir aHitler.

Este estado de opinião popular não é apenas popular,uma vez que atinge até mesmo as esferas responsáveis. á9 Tolstoi, a trágica retirada da Rússia de Napoleão. A” peranzada deste povo como solução militar de todassus contrariedades bélicas. • Com Rostof em mãos dos alemães e Stallngrado ;cambaleando.febre do tremor se apodera das multidões e dos grandes proprietários Q. e os jornais. Para curá-lo cem dias não é muito, énefecto. ps,i Esta declaração conturba bastante e Contraría o sistemático optimismoyanqui soCre os eventos internacionais. A rússia, como o da eterna, desesperada. Crônica radtotelegrdtlca do nosso redator.

Diirante ‘aafUerior • apareceram pelo menos três novas armas importantes: gás, tanques e aplicação da aviacióná’a guerra. Durante esta é a única arma secreta que foi revelado até agora é representada pela aplicado-, ção do cinematógrafo para a luta. Las’péndulas constnu. iene, atualmente, um ios principais instrumentos de guerra da Inglaterra. Intitula-Se este “filme” o “Pitt, o Jovem” é que Inglaterrapasó-já por outros problemas não.

17:38 Novas notícias sobre os terroristas que atentaron em Paris. Brandet a televisão “BFMTV”. 17:29 Em Paris, há poucos minutos, um homem apareceu em uma caixa de correio de Pierrefitte (entre o Sena e de Saint-Denis). No balcão, segundo o “Le Parisien”, apresentou um passaporte em nome de Salah Abdeslam, o terrorista fugido após os atentados em Paris.

Conseguiu sair do recinto antes que a Polícia entrasse no edifício. 17:09 “Não se trata de financiar uma guerra, mas de dar meios ao país para que possa aumentar a segurança”, destacou. Sobre a margem fiscal que a CE permitirá a França, depois dos ataques, disse que “em situações extraordinárias, o Pacto de Estabilidade e Crescimento (de disciplina orçamental) permite a despesas extraordinárias”. O líder disse que houve “atos de guerra” na Europa, que terão “muitas consequências”, mas pediu fugir de um discurso “ultrasimplicista” e não misturar refugiados com terroristas.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: