Edição De Sábado, 26 De Fevereiro De 1938, Página 7

Edição De Sábado, 26 De Fevereiro De 1938, Página 7

••Mas o Governo nos lia disse . Franco seu uabajosa, cara e pouco honrosa vitória deTeruel, desaparecerá mais cedo. E cTebemo” acreditar. . Mas tenhamos em eueuin algo.de – grande transcendência. Desaparecerá a superioridade aludi – dá-se todos, cada um em nossa espera, ajuda-mos a isso. Não se pode nem se debs —seria criaütíal e-na-suicida— deixar o Governo, com suas responsabilidades e sua obra imensa.

A críticaestelé ei posterior, aue não espera, deve ser substituída pela competição leal. ral é ganhar a guerra, e para obtê-lo senecesita o aue de comum, têm partidos e organizações: o seu antifascismo.Reconhecido isso por iodos, surge imediata – rúente a unidade de pensamento e a conformidade, o procedimento a seguir.

]a inteligericiaentre os diferentes pensamentos políticos e de classificação económica que têm partidos ysindicatos, e seus efeitos são-já palpáveis, evidentes,; tanto no que aja guerra se refere,’como o Mlidad. os.pois – tos a partir dos quais laRepúbliea guia a sua marcha para o triunfo.” . Rambla fala dos tmclitei”l quef.e divertem em aumentar 3 a importância de cualcpiiér feito m& nós-‘ seja adversos, e queprocuran tnejmar a moral do cidadão, e diz: cS a Ixay glória conauistada siu sacriílciü.

  • Anoeta será preenchido para receber o real Madrid
  • No meu velho San Juan
  • 1992 – Valor facial: 2,5 francos – Cristóvão Colombo
  • Duas velas vermelhas
  • Aparições: 1.ª e 2.ª temporada.[14]

Des-confiai de Jas conquistas fáceis. Dá-Nos o ejeru-. Hitlei’ a sua intervenção e ajuda ma – i terial a 3a rebelião ert Kspaüa e a declara! • mantém “n. uma i”osit-ióii clara, serena, re- ; ponsable e construtiva; e acrescenta: .”Esperemos i a vê-r’sL. “.O Socialista diz que o. Fran- •co; e acrescenta: “r.a situação criada ‘ lngla- ; tena tem uma solução úuica; a.

o anunciava nasce um pouco de ios mais se destaca – , o Clareza, referindo-se ao discurso do chanceler ; de’Anstria, diz: “O discurso do caiicillei: deixa • entrever que as dificuldades que sem jen ao pa- , so da manobra germano-italiana revelam,pelo menos, quando o engano. As declarações do chanceler em relação ao “Aneliluss” e a autonomia de seu país não somam com as duas ‘Alemanh– nías. Hitler, em seu último dis-tui’FO.

daí podemos deduzir que as palavras do chanceler da Áustria iam dirigidas haciaalguien, que bem poderia ser a Inglaterra e a França. Sem dúvida, para acalmar at-gima atitude que só nas esferas diplomá – Ueaí é conhecida. É do tal envergadura da ma-mobra, que não se ai revê a dar a cara, mas uie – diaina embustes, esclarecimentos, promessas, -.,vivência etc. O que supõe, em fim. 3a derrota antes ele ter empreendido a batalha a fundo.” . O Sindicalista diz: “Jista é o grau misiónque cabe na -hora-de – responsab.i – iidart .as Internacionais operárias, impedindo:a realização imediata dos agentes do capitalismo. Ja Comi – O . saría geral de Ordem pública.• .

] O registro arqueológico é particularmente rico e variado, e fornece conhecimento de assentamentos rurais e urbanos, da indústria e da atividade econômica além da navegação e atividades bélicas sem excluir a atividade religiosa, tanto cristão como pagão. Esta fonte é ainda mais importante para a época anterior à Era Viking. Registros posteriores a esta Era Viking também são úteis para entender os vikings, mas precisam ser tratados com cautela. Após a consolidação da Igreja no Norte europeu, as fontes nativas começaram a florescer, tanto em latim como em nórdico antigo.

Particularmente chave foi a colônia viking da Islândia, que desenvolveu uma rica literatura vernácula entre os séculos XII e XIV, de fortes raízes vikings com tradições que remontam às sagas islandesas. A confiabilidade de tais narrativas não é muita, mas tem um grande valor, entre outros motivos, por incluir restos da primitiva poesia em lugar de os poetas dos séculos X e XI. A evidência lingüística dos topônimos também serve para traçar a expansão deste povo. Pertenciam ou não à família dos povos germanos e sua língua e cultura germânicas eram decorrentes de religiões animistas, como as de todos os povos escandinavos.

Os primeiros monges cristãos alemães associaram a este povo com o neto de Noé e o filho mais velho de Jafé chamado Gómer (e seu povo, os cimérios). Esta comunidade linguística e cultural de toda a região escandinava tem que ser tomado em conta na hora de aprofundar o conhecimento do espírito, que levavam estes povos. Estes povos, como os gregos, romanos, habitavam uma geografia muito segmentada que, junto com o clima e os animais carnívoros— fazia-se muito difícil a comunicação por terra, o que lhes obrigou a navegar.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: