E O Que Entendemos Por Rigorosa?

E O Que Entendemos Por Rigorosa?

O islã é a religião e Estado. O verdadeiro muçulmano afirma que Deus lhe protege; o islâmico considera que é ele quem deve proteger a Deus. ] começa a ser usual empregar a palavra árabe islam, à medida que os estudiosos ocidentais (islamólogos, pelos árabes e historiadores) promovem o termo que os muçulmanos usam para designar a sua própria religião. ] para outros, como Bernard Lewis, conecta estreitamente com as tradições políticas islâmicas, que sempre teriam oscilou entre o “quietismo” e o “ativismo”. ] são baseadas, como os mais adiantados argumentos islâmicos, em o Livro Sagrado e nas ações e ditos do Profeta. A tradição quietista, obviamente, descanse em o Profeta, como soberano, como juiz e como estadista.

Mas antes de que o Profeta chegasse a ser um chefe de Estado, foi um rebelde. Antes de sair de Meca para Medina, onde se tornou soberano, era um adversário com a ordem estabelecida. O profeta, como rebelde, forneceu-se uma espécie de paradigma de revolução-a oposição e a rejeição, a retirada e partida, exílio e viagem de volta. Uma e outra vez os movimentos adversários na história islâmica tentaram repetir esse padrão, alguns deles com sucesso. O precursor mais importante do islamismo contemporâneo é a organização irmandade muçulmana, fundada no Egito em 1928. Movimentos de tipo semelhante, se espalharam na década de trinta, a Síria e o Líbano, e, mais tarde, Jordânia, Sudão, Iraque e Irã.

O islamista moderado não existe, seria como falar de nazistas moderados. 2010, o islã político e a democracia se tornaram cada vez mais interdependentes. O debate sobre se são compatíveis é agora virtualmente obsoleta. Não podem sobreviver um sem o outro. O século XIX foi um período de ebulição intelectual no Oriente Médio: renovação intelectual do islã, reforma religiosa, através da educação, da jurisprudência, etc

Os ulemas estiveram no núcleo destas reformas. Se até o século XVIII, todos os aspectos da sociedade no Império otomano eram dominados pela religião, isso mudou bruscamente. Com o declínio desse Império tentaram reformar as estruturas, procurando imitar o modelo dos países europeus (tanzimat “reorganização”).

  1. Disco de Ouro e Platina para Yuri vive a história por mais de 100.000 cópias vendidas
  2. 4 Terceira temporada
  3. 9º.- Porque Schultz é capaz de combinar cadillacs com dinossauros sem que seja ridículo
  4. Por solidariedade para com os credores de Oliveira
  5. 1 Como eu faço
  6. 3 As Capitulações de Santa Fé

A partir, sobretudo, de 1830 começaram as reformas e a modernização de estruturas (exército, administração, ensino, tributos, etc.); muitos estudantes recorreram a diferentes países da Europa, tomando como modelo de modernização (Yeni Osmanlilar -“jovens turcos otomanos”-, Jön Türkler -“jovens turcos”-). O desejo de renovação, a busca de respostas para o fracasso otomana, levou a perguntar-se se era o islã e a causa de sua fraqueza e atraso. Esta reflexão empurrou o clero a questionar as causas da situação e a tentar integrar os elementos da modernidade, da religião. ] a religião se abre aos valores liberais.

Se nega que o califado tenha fundamento religioso; se Maomé não era um político, portanto, que a religião não deveria fundamentar um Estado muçulmano. No entanto, não se acusa a religião, a origem da derrocada: seria a ausência de adoção dos valores liberais, o que teria colocado em inferioridade dos povos muçulmanos contra o Ocidente.

Corrente islâmico: a Europa não é um modelo a seguir, mas o inimigo. Formam-Se os primeiros grandes movimentos islâmicos; o mais importante, os Irmãos Muçulmanos, criado em 1928 por Hassan al-Banna. Não põe o acento sobre a prática religiosa em si ou sobre a sharia, mas uma ação política e social; insiste sobre a noção de justiça social que deve ser seguido através do Estado. A terceira corrente é a que preconiza as transgressões nacionalistas (revolta iraquiano de 1920, revolta árabe Palestina de 1936-1939), que combinam elementos das anteriores. O islamismo, como resposta à situação histórica, gostaria de um Estado baseado no islã que reprojetar uma nova sociedade.

de Acordo com esta corrente, deve-se tentar viver no seio da irmandade entre muçulmanos, de acordo com um modelo político islâmico que exclua modelos leigos como o comunista ou o liberal. ] do norte de África, em França e em Espanha, Turquia, Alemanha), e parcialmente por conversões. De acordo com o dominante, o principal problema é o islã, porque coloca a lealdade para com a comunidade de crentes acima da lealdade à nação. Não aceita críticas, não cede em matéria de normas e valores, e justifica certos tipos de violência, como a jihad.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: