Como Conseguiu Um Feito Tão Notável?

Como Conseguiu Um Feito Tão Notável?

Nem um louco sanguinário, nem um louco obcecado pelo ouro. A “lenda negra” de Francisco Pizarro (quase tão grande como a do Duque de Alba) persegue o conquistador do que eu partisse para o Novo Mundo em 1502, para construir um futuro a partir do nada. No entanto, para especialistas como a historiadora Maria del Carmen Martín Loiro, é hora de separar definitivamente ao caceres dessas mentiras que -continuamente – são replicadas do outro lado do charco. “A Pizarro é visto como um masacrador de aborígenes, mas não foi sanguinário fora dos campos de batalha”, explica, em declarações a este jornal, a autora.

neste sentido, a historiadora vá para o inglês, como um homem que lutou porque as cidades indígenas fossem preservadas, evitou que torturara nativos e, até mesmo, tratou como um hóspede do imperador inca, Atahualpa. Um homem que conseguiu capturar a 16 de novembro de 1532, depois de entregar uma armadilha e vencer (com apenas 200 espanhóis) ao gigantesco comitiva com o que o nativo chegou a Cajamarca (Peru, sede de seu império).

  • Aqui tem seus relógios. Ninguém os tirará – eu disse voltando para a escola
  • 4 Outras hipóteses
  • Por V de Vingança. Um dos poucos animes que eu cheguei a chorar
  • Uma foto
  • Gilles Kepel, Fitna: guerra no coração do Islã, 2004

Como conseguiu um feito tão notável? De acordo com a especialista, devido ao seu conhecimento de tática militar. “Foi um gênio da estratégia que aprendeu com os Terços da Itália”, explica Martin Loiro. Pizarro e seus 200 homens partiram para Cajamarca com seus olhos injetados de ouro e uma grande ansiedade por conquistar a região. Oficialmente, preparou um encontro com Atahualpa sob o guarda-chuva de uma suposta entrevista pessoal. O 15 de novembro, os espanhóis chegaram à cidade e elaboraram um plano para “caçar” os homens do imperador pela surpresa. Concretamente, establecierom que plantarían face a seus inimigos em uma praça que só contava com três entradas.

Apenas um dia depois, o inca se apresentou ao lado de um gigantesco exército de entre 8.000 e 40.000 homens. Mas não só veio com guerreiros (que também é), mas levou consigo o seu corte de bailarinas, equilibristas e todo aquele que pudesse surpreender os hispânicos. 16, Atahualpa entrou na praça de Cajamarca, mas não se encontrou com Pizarro (que estava escondido junto a seus homens), mas que se deu de cara com o frei Vicente de Valverde. O religioso, que acompanhava os conquistadores e que, como fazia habitualmente, em cada povo, leu-lhe o “Pedido”.

Um documento em que pedia (ameaças usando) aos nativos a render-se e tornar-se servos do rei de espanha em troca de conservar a vida. Além disso, este personagem ofereceu também uma Bíblia, objeto que -por sinal – o imperador jogou no chão sem saber o que diantres era nem como se usava.

No final, já fora por ativa ou por passiva. Os militares atacaram causando o terror entre os indígenas. Como puderam obter a vitória diante de um exército tão gigantesco? Oficialmente, devido às suas técnicas de luta, suas armas (que cortavam como a manteiga, as armaduras dos incas) e duas armas secretas: os cavalos (que causavam verdadeiro pavor entre os nativos) e a artilharia.

A disputa terminou em meia hora, e teve que contar centenas de mortos pelo bando de Atahualpa. Por sua vez, o desastre foi mayúsculo para os incas, pois o imperador foi preso por Pizarro, cujos homens -depois de receber um grande resgate e celebrar um julgamento contra ele decidiu justiçá-lo.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: