Capa / Afeganistão, O País Das Mulheres Invisíveis

Capa / Afeganistão, O País Das Mulheres Invisíveis

Antes de voltar a Cabul, a cidade que conheci durante a ocupação soviética, sinto medo. Com medo de voltar a me deparar com essa cidade agonizante, privada de música, onde as mulheres, minhas irmãs são obrigadas a vestir a burca -o chador-, esse véu com grade que nem sequer deixa ver seus olhos. Já não têm direito a sair de suas casas, para ir ao banho turco, lavar a roupa no rio. Já não têm o direito nem a ir para a escola ou para o trabalho.

Soa o despertador em Islamabad florido. Antes de calçar as botas para dirigir-me a Cabul, quito, com cuidado, o esmalte das minhas unhas. Na semana passada, os talibãs cortavam os dedos de uma mulher que se atreveu a levá-las pintadas. Eu coloquei uma longa gabardine cor de areia, escondendo meu rosto com um lenço. Quase pareço uma afegã.

  • 2015: Sushar Manaying como Theeraphat Ingkuranon / Taliw
  • Melhorar relações
  • 1 mundos
  • 2016: Honduras (ator)
  • Uma das tomadas de apresentação da caverna foi modificada
  • Olha o ponto
  • “Gotta Go Fast” (versão curta) de Norman J. Grossfeld, Joseph Garrity, & Russell Velázquez

quanto a Jean-Philippe, minha assistente, leva dois meses, deixando crescer a barba em Paris, com o fim de obter a medida requerida. Vestido com seu shalwar gammeez (traje afegão), parece um tadjik. Na sede da ONU, em Islamabad, antes de pegar o avião que nos levará a KabulPor fim, pousou no meio de um circo de montanhas impressionantes, um dos mais belos do mundo. Vim precisamente para isso. Chegamos ao hotel Intercontinental, sede dos poucos jornalistas de passagem. O velho porteiro, com cores grená de botões dourados e um chapéu de copa gastos com o passar do tempo, dirija-se ao entrar para a escadaria.

lembra-Me que se chama Mohammat Jan e que estava lá no tempo dos chouravis (os russos).Os talibãs são arrancado as placas de cobre dourado, que decoravam a fachada do hotel. Igual que no interior da sala de jantar. Cabul parece calma. Os talibãs são odiados, mas trouxeram segurança. Puseram fim aos abusos de facções rivais que roubaram, saqueavam, raptaban e violavam as mulheres.Enquanto jantamos, Jean-Philippe e eu sozinho (nós somos os únicos clientes do hotel), quinze velhos garçons com trajes riscados lutam para nos servir. De repente, um grupo de talibãs com turbantes negros irrompe no hotel.

Ajusto o meu lenço e sob os olhos com modéstia. Sei que uma mulher não tem o direito de alguém pergunta de frente. Os talibãs atingem os recalcitrantes com paus para deixá-los entrar nas mesquitas. Os mulás não deixam de repetir o povo:-“Abaixo os alemães, os franceses e os japoneses!”. Até as crianças sabem que já não lhes é permitido deixar-se fotografar os estrangeiros.

A gente enterra suas cassetes de música e os retratos de família no jardim. Cabul já não é mais do que um campo de ruínas. Por todas as partes, izan bandeiras vermelhas que indicam que o solo está minado. Com a teleobjectiva, fotografío um casal em bicicleta (ela com xador branco, por trás de seu marido), que passa no meio das explosões. A Cada dia, as dezenas de pessoas que perdem uma perna ou um pé frequentam o centro ortopédico da Cruz Vermelha Internacional, para que eles construam uma perna artificial.

muitas vezes acontece, diz-nos o dr. Alberto, deste hospital, que alguns talibãs negam-se a que as mulheres tenham uma perna artificial, porque teriam que descobrir o seu corpo ao médico. Desde que tenho o direito de fotografar objetos inanimados, peço permissão ao meu guia para voltar a ver o antigo Museu de Cabul, totalmente destruído. Fotografío, sem que se dê conta, o jovem guardião. O senhor Hammadi, o meu guia (nunca saberei seu nome) leva-nos ao antigo estádio Lenin. O anfiteatro devastado, o que, em tempos, os russos, eu tinha assistido a um concerto de canções!.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: