A última Farera De Portugal: 43 Anos Salvando Barcos Na Costa Da Morte

A última Farera De Portugal: 43 Anos Salvando Barcos Na Costa Da Morte

Cristina Fernández foi uma das três primeiras fareras de Portugal e vive há 43 anos na Costa da Morte. Só a reforma da lançará. O dia em que o mar se tornou laranja em Camariñas, A Coruña, Cristina era uma menina aos pés do farol de Cabo Vilán. Após o naufrágio do Banora, a maré tinha arrastado 1.600 toneladas de laranja a Costa da Morte.

Enquanto os vizinhos recolhiam os restos do naufrágio, a menina o que se revelou foi um clarão nas alturas. Por sua rapidez, por sua intensidade, porque a cegou, Cristina o chama de “flash”. Embora o farol ainda não estava ligado. “Tinham-Nos levado de excursão com o colégio e todas as crianças apanhavam laranjas, mas para mim aquilo me impressionou.

  • Novas palavras, como um furacão, macana, etc
  • Posso beijo? – Com uma condição. – Qual? – Que não seja a última vez
  • 2010: Ó Kyung Soo
  • Luis procura um apartamento para morar, sem Pedro
  • 7º.- Onde está Oesterheld

Foi como uma atração: ‘Aqui te trago eu'”, relata na sala de rádio do mesmo faro do que a surpreendeu, onde vive. “A partir daí ficou na minha cabeça e então eu faço a namorada do filho do farero. Foi mais ou menos com essa idade, não sei se foi o flash”.

Cristina e Antonio se fizeram namorando às escondidas, porque ela tinha 13 anos. O trabalho de farero não era hereditário, mas passava de pais para filhos, por uma questão de proximidade: eram os fareros que antes se enteraban das datas para opositar, assim que avisaban seus filhos. Foi Antônio quem o avisou: “Meu pai me disse que vai sair a primeira oposição a que dão lugar as mulheres”, disse.

“Sempre que dizem que eu fui a primeira farera eu insisto em dizer que também tinha outras duas. Eu sou só uma das primeiras, mas sou a última que me jubilo”, ele muda a voz. “E eu me recuso a se aposentar”. Cristina sempre acreditou que a sua vocação era a medicina ou o ensino, mas não pôde estudar porque seu pai adoeceu e ela começou a trabalhar muito jovem.

Um dia, de repente, aquela menina que tinha três trabalhos, dois como digitador e outra como professora, chegou a casa com uma notícia que seus pais não conseguiram entender. “Completamente louco”, dizia seu pai. “Você não está ben da cabeça”, disse sua mãe. “Acima você vai tirar ou trabalho ós homes!

< / p>“, exclamava o pai. Sua filha queria ser farera. Ela sabia que não iam deixar, mas lhe entusiasmava a ideia de poder “abrir caminho para outras mulheres e ser pioneira em algo”. Antonio encontrou uma solução para que os pais não possam impedi-lo de ser farera: pediu em casamento antes do exame. Tentou sair em 2010, quando morreu seu marido.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: