A Grande ‘batalha’ de Propaganda Da Guerra Fria

A Grande ‘batalha’ de Propaganda Da Guerra Fria

Há mais de 40 anos o Apollo 11 surcaba o vazio em direção à Lua. Seus três ocupantes estavam a ponto de alcançar um marco histórico para a humanidade: iam ser os primeiros a pôr o pé em terra firme fora do nosso planeta. No entanto, naquele momento, o objetivo alcançado foi diferente: eram a representação da vitória dos ESTADOS unidos sobre a união SOVIÉTICA na ‘conquista’ do satélite.

Após a Segunda Guerra Mundial, a tensão entre OS EUA e a URSS era patente. Após o violentísimo conflito, o bloco capitalista e o comunista, se envolveram em uma guerra estratégica, conhecida como Guerra Fria, em que as duas potências nunca se enfrentariam diretamente e usariam a terceiros em suas refregas. No entanto, os candidatos encontraram na conquista do espaço um campo em que ‘combater’ de forma direta e demonstrar que o modelo social e político era superior: começava a corrida espacial entre os campeões do capitalismo e o comunismo.

em 4 de outubro de 1957, a União Soviética lançou ao espaço o Sputnik 1, o primeiro satélite artificial da história. A notícia se espalhou como pólvora pelos ESTADOS unidos e por todo o mundo. Por sua parte, a união SOVIÉTICA compreendia o poder propagandístico internacional de suas conquistas espaciais. Tanto é assim que, desoyendo para os técnicos, o presidente soviético, Jruschev, adiantou o terceiro Planeta a 15 de maio de 1958, pouco antes das eleições legislativas italianas. Segundo parece, esperava impressionar os eleitores e, assim, apoiar o partido comunista mais importante da Europa ocidental. O satélite, que fracassou em sua missão, mas o PC da Itália foi a segunda força mais votada.

  1. Porque Andreu Martin guionizó Sir Tim Ou’ Theo
  2. 2 Enredo 2.1 Antes da série
  3. 2015: Hollywood Vampires (de Hollywood Vampires) – guitarra
  4. 2 2. É agradável

O Sputnik foi o pontapé de saída para uma corrida louca que ocuparia os doze anos seguintes. Os soviéticos demonstraram que eram os mais espabilados de classe: por pouco ou por muito, já estavam quase todos os marcos espaciais antes que seus rivais americanos. A URSS enviou o primeiro ser vivo ao espaço (a cachorrinha Laika), o primeiro homem (Yuri Gagarin) e a primeira mulher (Valentina Tershkova), e realizou o primeiro passeio espacial.

O presidente John Fitzgerald Kennedy chegou à Casa Branca em um panorama muito turbulento. Em abril de 1961, seu primeiro ano como presidente, a situação parecia sorrir para uma união SOVIÉTICA comandada por Nikita Jrushev, o líder que mais apoiou a corrida espacial. Só em abril, a união SOVIÉTICA tinha ordenado o primeiro homem para o espaço, cinco dias antes do ridículo da invasão pro americano da Baía dos Porcos em Cuba.

Para não deixar em evidência o presidente Kennedy e o seu compromisso (que não caiu no esquecimento após o seu assassinato em 1963 ) os ESTADOS unidos alocaram cerca de 5.000 milhões de dólares anuais para o programa espacial, durante aquela época. Em 1967, estima-se que cerca de 400.000 pessoas trabalhavam para algum aspecto do programa Apollo, já fora para a NASA ou em empresas subcontratadas. A tensão provocada pela data-limite sentia-se até em Portugal, na estação de monitorização da NASA em Fresnedillas (Madrid). Nem um revés tão importante como a morte dos três astronautas da Apollo 1 conteve o projeto.

Os americanos conseguiram colocar outras seis missões na Lua, enquanto a união SOVIÉTICA, que só conseguiu levar sondas não tripuladas ao satélite, tentava esconder o seu fracasso, negando que tivessem tentado levar astronautas para a Lua. Décadas depois, eles tiveram que admitir que assim foi. Ruiz de Gopegui. “A partir daí, o único que se pode fazer na Lua é ciência, e a ciência a esse preço não interessava”. A NASA embarcou em projetos mais econômicos como o ônibus ou na estação espacial internacional. O efeito, aumentado pela derrota, foi semelhante na URSS.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: