20 Anos Perseguindo Amy

20 Anos Perseguindo Amy

�Como você não vai se apaixonar de Joey Lauren Adams? Aconteceu com Kevin Smith, mas ele a chamou Amy, aconteceu com o protagonista, Holden McNell, com Alyssa; e nos passou o resto de espectadores. Imagine introduzir uma menina gay em, a equação. Assim, procura-se Amy chegou às nossas vidas, como o melhor filme de Kevin Smith, a mais profunda, a mais romântica e a mais honesta. E, talvez, o motivo é que está baseada na própria experiência de Smith com a atriz, por isso tudo está embebido nesse tom de verdade. Um cara se apaixona por uma garota que é ser lésbica. Primeiro são amigos, mas a química entre os dois é irresistível e, ao final, verifica-se que ela sente o mesmo.

Começam uma relação quase perfeita, até que ele descobre que ela também foi para a cama com o rapaz, antes que ele, mesmo com vários caras de uma vez. Isso é insuportável para o tipo que, basicamente, destruir a relação com suas inseguranças para passar, provavelmente o resto de sua vida Procurando a Amy. É em sua cena final, Affleck deixa uma revista em quadrinhos, o personagem de Lauren Adams. Kevin Smith salienta, através de uma vinheta desse quadrinhos, a moral do filme: “Ela ensinou que não se pode julgar as pessoas pelo seu passado”. 20 anos depois, esta mensagem tão importante, é tresnoitado e demasiado óbvio.

  • Aproxime-se dela e faz parte de seu círculo
  • A lucidez de Alvarez Rabo
  • Mauditecandela (discussão) 15:52 22 fev 2018 (UTC)
  • Porque O Branco Humano de Milligan é magnífico
  • Gostaria de morrer se ara ver você tivesse que pagar com minha vida
  • 3 Heroes Reborn
  • N. 11 juiz, que na verdade Porgi amor qualche ristoro (Condessa)

Mas isso é porque Perseguindo Amy cumpriu a sua função: nos fez adultos livres, em indivíduos sexualmente abertos e felizes, sem complexos (ou mínimos) e muito seguros de nós mesmos. No entanto, reduzir tudo o que se conta Perseguindo Amy a esta mensagem é menospreciarla. Eu não tenho certeza se o diretor de Funcionários era consciente da quantidade de aulas sobre sexo e amizade que estava dando a toda uma geração.

Para um adolescente (menina ou menino) o cunnilingus é um angustiante processo onde sempre cai alguma pressão. Nada é mais gratificante que ver como nossa companheira se contorce de prazer. Mas você precisa de técnica e não é fácil. Quando no filme Holden descobre que Ela é gay, ele é baixo, mas o seu amigo Banky, do que falaremos mais adiante, se diverte com a situação. Alyssa e Banky começam a falar sobre suas diferentes experiências com o sexo oral enquanto ensinam cicatrizes.

Quando você é um verdadeiro conde em o instituto, essa cena é muito reveladora. E agora, quando a vê, 20 anos depois, você se dá conta de que a primeira técnica para fazer cunnilingus ensiná-lo Jason Lee. É inegável que todos nós temos um complexo de conquistador. Como gostamos de entrar em terreno inexplorado! Assim, a simples idéia de ter relações com alguém virgem é muito tentadora.

Talvez por isso Ela seja tão cazurro como para sugerir que Ela é virgem apenas pelo fato de não ter relações com homens. Felizmente, esta é uma das discussões que hoje ficam obsoletas: quase ninguém teria hoje em dia, este tipo de dúvidas. E aqui nos colocamos sérios.

A declaração de amor que faz Holden é explosiva e violenta ao mesmo tempo. Quando ele diz a ela que ele ama, ele quebra todos os esquemas. Porque ela tem uma imagem que leva cuidando de quase dez anos, a de uma lésbica forte, independente e feminista em cujo mundo não cabem os homens. É como sair do armário pela segunda vez… Mas é isso possível? Às vezes nos esquecer de que não se ama a uma mulher ou a um homem… mas uma pessoa.

“você Tem que foder as mentes”. Em procura-se Amy não se fala de foda-se, se fala de amar, mas a lição serve igual. Não o chame de dor quando quiser chamá-lo de inferioridade. Perseguindo Amy chega ao clímax quando Ela lhe lança em rosto a Alyssa seu passado sexual, seus trios, seus pós em público, suas experiências sexuais… vai perder e não sabe como consertá-lo porque Holden sente náuseas.

Se chama medo. É então quando chega Bob o Silencioso, ou seja, de Kevin Smith, para falar de Amy. “Não estou acostumado a esse tipo de coisas, me educaram em um colégio católico”, diz Bob. E claro, a culpa, essa coisa tão católica, nos impede de saborear a vida, por isso é melhor rejeitar todos os estímulos. Antes de existir o conceito de aluno, Kevin Smith já retratou o que existia entre Holden e Banky.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: